Arquivo mensal: dezembro 2016

OS PERIGOS QUE RODAM SEU PET NO NATAL E ANO NOVO…

gato-e-natal-3

Cães e gatos são animais que estão acostumados com uma rotina e gostam disso, acreditem! Porém, no Natal e Reveillon os nossos pets ficam um pouco desorientados por causa de algumas mudanças no ambiente… alguns animais adoram conhecer novas pessoas e receber convidados na casa, mas para outros isso é muito estressante, principalmente no caso dos felinos. Por isso, fiquem de olho nos nossos amiguinhos, para que possa entender como ele está lidando com essa novidade, e então agir adequadamente.

                Nesta época há muitos objetos desconhecidos e diferentes tipos de alimentos e bebidas em nossas casas, e isso pode gerar um grande problema. Arvores de Natal e enfeites, são tentadores para os nossos amigos… e por que não brincar com elas e depois experimentar para ver se é gostoso? Além disso, jamais ofereça as comidinhas da ceia ara seu animal… Pode ser que seu peru esteja divino e a maionese seja light, mas nada de compartilhar com eles! Um dos maiores problemas que vemos na clinica veterinária nesta época é justamente as gastroenterites causadas pelos “pedacinhos” dessas delicias oferecidas… afinal, você não vai querer que seu amiguinho tenha vômitos, cólicas abdominais e diarreias não é mesmo?

Isso significa que é extremamente importante estar atento mas a boa notícia é que, tomando algumas precauções básicas, não há absolutamente nenhuma razão para que nossos amigos peludos não possam desfrutar da temporada festiva tanto quanto todos nós. Abaixo seguem os 10 perigos mais comuns e que temos que ficar mais atentos neste período:

Ossos – Uma vez que eles foram cozidos, os ossos se tornam frágeis e lascam facilmente, o que pode causar vários tipos de problemas para animais de estimação. Além disso, os ossos de peru são ocos, de modo que eles se estilhaçam facilmente, independentemente de serem cozidos ou crus, e nunca devem ser oferecidos a animais de estimação.

cachorro-e-natal-2

Panetones e Bolos de Natal  – Bem como estar cheio de gordura e geralmente contêm passas e nuts (amêndoas, nozes…) que podem levar a vômitos e diarreias.

Chocolate – Isto é particularmente perigoso para animais de estimação, pois pode causar intoxicação alimentar, levando a quadros de gastroenterites hemorrágicas severas.

Nozes – Embora se tornem muito comuns nesta época do ano, nozes não devem ser oferecidos para animais de estimação. Amêndoas e pistches podem causar gastrites ou até mesmo obstruções em esôfago… além disso, algumas “nuts” como: macadâmias e certas nozes podem ser tóxicos, causando convulsões ou alterações neurológicas.

cachorro-e-natal

Árvores de Natal – Certifique-se de que estes estão de pé em uma base resistente para que eles subitamente possam de cair se forem “atacados”  por um gato ou derrubado por um cão, o que poderia ferir o animal, bem como qualquer outra pessoa que está por perto.

Farpas de Pinhas – Caso você pegue para enfeitar sua casa, aquelas pinhas lindas de Natal, certifique-se de que estão limpas, livres de espinhos e/ou farpas. Isto porque, logo que eles caem podem tê-los e acabar furando as patinhas do seu animal.

Plantas sazonais – azevinho podem causar problemas intestinais, se forem comidos, por isso mantê-los bem longe de animais de estimação.

Árvores de Natal – Certifique-se de que estes estão de pé em uma base resistente para que eles subitamente possam de cair se forem “atacados”  por um gato ou derrubado por um cão, o que poderia ferir o animal, bem como qualquer outra pessoa que está por perto.

gato-e-natal-2

Fitas e Laços – Estes são muitas vezes atraentes para animais de estimação, e particularmente os gatos, mas se forem engolidos eles podem causar obstrução intestinal e cirurgia poderia ser necessária para removê-los.

Álcool – isso nunca deve ser dado aos animais de estimação e também é importante pensar se ele foi usado em uma receita, antes de alimentar um animal de estimação.

Convidados – Finalmente, não tenha medo de pedir aos convidados para não alimentar seus animais de estimação, especialmente porque muitos donos de animais não podem entender os riscos associados com certos tipos de alimentos.

Tendo tudo isso em vista, aproveite bastante as festas pertos dos maiores amigos que o homem pode ter! E se quiser dar algum “agradinho” no dia para eles, consulte antes seu veterinário! É melhor prevenir do que remediar!

Dra. Gabriela Vieira – clínica geral e medicina de felinos

Anúncios

Queda de pelo em cães: é normal?

spring-shedding21

Você já percebeu que o seu cão ou seu gato perde pelo diariamente e que, em alguns períodos do ano isso fica pior, certo? Provavelmente em algum momento você já se perguntou se o seu animal ia ficar careca de tanto pelo que você está encontrando pela casa. Outros decidiram ter um cão de pelagem curta, pois acharam que ele perderia menos pelo, mas foi exatamente o oposto! Então, como saber se a quantidade de pelo que está caindo é normal? E por que algumas raças de cães e gatos perdem mais pelo do que outros?

Em primeiro lugar, é importante saber que tanto o cão quanto o gato perdem milhares de pelos durante o dia e isso é fisiológico. O pelo desses animais é dividido em pelos primários (que constituem a pelagem externa protetora) e os pelos secundários (subpelos). A proporção entre esses tipos de pelagem varia entre espécies (o gato tem muito mais subpelo do que o cão) e também entre raças (um pastor alemão tem muito mais subpelo que um Teckel). Além disso, é certo que cães de pelagem curta irão perder mais pelo do que os de pelagem longa. Já reparou que justamente cães das raças Shih Tzu, poodle, Yorshire (e outras) precisam ser tosados? Isso ocorre porque os pelos deles crescem continuamente. Já cães da raça Beagle, Pinscher e Pug, e também os felinos, não precisam ser tosados porque os pelos deles são programados geneticamente para crescer até determinado tamanho e cair. Só que eles não caem todos ao mesmo tempo, senão o animal ficaria careca! No mesmo animal existem pelos em diversos estágio de crescimento e, a medida que eles chegam ao tamanho que foram programados, eles caem.

Então, quando a queda de pelo é normal de acontecer?

  1. Uma queda de pelo mais intensa pode ocorrer na primavera e outono e é normal. Isso ocorre porque a pelagem do animal se prepara para o verão, fazendo com que na primavera comece a cair o pelo  do grosso do inverno e e crescer um pelo mais fino para o verão. Já no outono, o inverso acontece. No Rio de Janeiro, apesar de não termos estações bem definidas, é comum os tutores repararem uma queda de pelo acentuada no final da primavera, justamente quando a temperatura começa a subir. E alguns cães continuam a perder pelos no início do verão.
  2. É comum as cadelas perderem mais pelo no pós parto e amamentação, uma vez que os nutrientes do corpo estão destinados a produção de leite. Além disso, o pelo fica mais bonito na gravidez, por conta do aumento dos hormônios sexuais e, então, quando esses hormônios declinam no parto, os pelos em excesso por sua vez começam a cair.

 

O que fazer nesses casos onde a queda é fisiológica? Afinal, você não aguenta mais tantos pelos pela casa…

  1. Escovar o animal diariamente, uma vez que se tira os pelos “mortos” e ativa a circulação da pele. Muito importante: escovar sempre na direção dos pelos, em especial nos cãe de pelagem muito curta, como o Teckel e os Pinscher. A escvovação no sentido contrário quebra os pelos dos cães de pelagem muito curta, o que faz com que eles percam pelos que ainda não estavam preparados para cair.
  2. No caso dos cães, dar banho com mais frequência, pois a pele limpa favorece uma pelagem saudável. Por outro lado, os banhos em excesso podem prejudicar a pele do pet. Num cão com pele sadia, um banho por semana ou a cada 2 semanas, com o xampu indicado para pele e pelagem dele, geralmente é suficiente. Sim, cães também tem pelos oleosos, secos ou normais, por isso é importante a escolha correta do xampu (pergunte ao seu veterinário).
  3. Dependendo da queda de pelo e também no caso das fêmeas puérperas, em alguns casos é necessário a administração de vitaminas, que devem ser prescritas pelo médico veterinário que acompanha aquele paciente.

Figura 1 e 2: Bubba, da raça Chihuahua, com queda intensa de pelos na primavera.

E quando detectar se a queda de pelo pode estar além do esperado:

  1. Se o pet está apresentando falhas na pelagem, com áreas sem pelo (alopecia) ou somente o pelo mais ralo, onde se consiga ver com mais facilidade a pele (hipotricose).
  2. Se o pelo está fosco e sem brilho ou mudou de cor (discromia)
  3. Se o tutor observa coceira (lambidas também são uma forma de coçar), caspa ou se está mais seca ou mais oleosa do que o normal.
  4. Se a pele apresenta feridas ou vermelhidão.

Diversas doenças dermatológicas, hormonais, sistêmicas e nutricionais podem causar esses sinais clínicos. Por isso, consulte seu veterinário caso seu cão ou gato esteja com algum desses sintomas acima.

Além de todas as dicas acima, cuidados como alimentação balanceada, prevenção contra parasitas internos e externos e uma higiene adequada do ambiente onde esse pet vive são essenciais para um pelame lindo e saudável!

Dra. Flávia Braz – dermatologia e endocrinologia veterinária.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mamãe, morro de medo desse barulho!

cat-dog-fireworks.jpg

Os animais são um dos mais prejudicados com a queima de fogos durante as festas de fim de ano.  Isso porque o cão e o gato são capazes de captar muito melhor os sons que nós humanos. Enquanto o homem pode perceber ondas sonoras  na frequência de 16 a 20.000 hertz, o cão tem capacidade de ouvir frequências de 10 a 40.000 e o gato até 65.000…  Ja imaginou a barulheira que deve ser pra eles? Então, como fazer para que seu pet fique mais calmo e em segurança nesse momento tão assustador:

– Evite fugas: feche bem as portas e as janelas. No desespero, cães e gatos tentam fugir, o pânico desorienta o animal, que tende a correr desesperado e sem destino.

– Crie um refúgio: coloque seu bichinho em um lugar onde ele se sinta seguro. Mantenha a luz acesa, em ambiente fresco e deixe a TV ou rádio ligados.

– Tampões: pôde-se fazer uso de tampões de algodão nos ouvidos, para abafar o barulho dos fogos minutos antes – não esqueça de retirá-los

–  Identifique seu animal: coleiras com plaquinhas com nome do animal e tutor, e  telefones, são importante no caso de fuga. Então mantenha-os identificados nessas datas.

– Acalme-o: homeopatia, florais e acupuntura podem diminuir o medo e a ansiedade do seu animal. Mas esses tratamentos devem ser feitos ao longo do ano. Consulte seu veterinário.

E é claro, caso possa ficar com eles durante a queima de fogos, tente distrai-lo com aquelas brincadeiras que ele mais gosta! Eles merecem, afinal são nossos maiores companheiros!

Boas Festas!

Dra. Gabriela Vieira – atendimento de clínica geral e medicina de felinos na Vet Care

Queimadura dos coxins: como preveni-las

Resultado de imagem para hurt dog pads

O verão está ai!! Passear é bem legal e todo cachorro gosta…mas, atenção: essa simples atividade pode causar problemas à saúde de seu cãozinho.

O clima quente representa muitos perigos para os cães. A maioria dos proprietários sabe que os cães podem sofrer insolação, hipertermia e queimaduras solares, mas muitos ignoram as queimaduras nas “almofadinhas” das patas, conhecidas como coxins.

    Quem nunca viu proprietários levando seus amigos para passear bem no horário do almoço, quando o asfalto está pelando? Para quem não sabe, o calor pode causar queimaduras nos coxins, que, apesar de bastante resistentes, estão sujeitos a lesões por altas temperaturas, principalmente devido ao asfalto quente. Quanto mais quente estiver o asfalto, mais graves podem ser os ferimentos e as queimaduras, que podem, inclusive, impossibilitar seu animal de caminhar. Esses ferimentos normalmente são mais difíceis de tratar, pois a sua localização favorece o aparecimento de infecções devido ao contato direto com o chão, além da cicatrização ser mais lenta devido à constante pressão colocada na pata quando o cão anda ou simplesmente fica em pé.

Normalmente, um animal com queimadura nos coxins tem muita dor local, o que pode levá-lo a mancar, principalmente em passeios longos e pisos mais ásperos. Também lambe muito as patas, evita colocá-las no chão e não quer caminhar. Em alguns casos mais graves, pode ter sangramento local, presença de bolhas e até o descolamento da pele dos coxins. Se o seu animalzinho apresentar algum destes sintomas, não hesite e leve-o rapidamente ao veterinário de sua confiança para que ele possa receber o tratamento adequado

Para saber se o calor fará mal ao seu pet, faça o teste: sempre que for sair de casa com o seu amiguinho, pise no chão sem sapato e sinta a temperatura. Se você não aguentar ficar descalço no chão quente, então seu animal também não irá aguentar.
COMO PREVENIR?
–  Prefira os horários com temperaturas mais amenas para passear, como até às 10:00 da manhã e após às 17:00h.

– Evite passear em calçamentos e asfaltos ou mesmo areia da praia, que costumam ficar bem quente. Uma opção nessas casos são os parques com grama, que não costumam ficar muito quentes.

– Faça caminhadas frequentes com o cão em pisos mais ásperos (mas nunca quente). Isso levará a formação de uma pele mais grossa e, consequentemente,  mais resistente e menos sensível a queimaduras e abrasão. Os cães que andam somente em piso liso e macio (apartamento e tapetes) terão almofadinhas mais sensíveis e finas

E se acontecer de seu cãozinho queimar a pata, o que fazer? Em primeiro lugar, lavar a pata do seu animal com água gelada, pois isso irá diminuir a temperatura no local e irá aliviar a dor. Não passe gelo, pois esse poderá queimar a pele. Em seguida, umedeça uma toalha limpa e com água gelada e leve seu animal ao veterinário, pois só ele poderá analisar melhor qual o grau de lesão e o que poderá ser feito para melhorar não só a dor, como também evitar que o local infeccione. 

Vamos proteger nossos amiguinhos nesse calorão. E não esqueça: SEMPRE DEIXE ÁGUA FRESCA E LIMPA À VONTADE PARA SEU ANIMAL.

Dra. Juliana Leitão

Médica veterinária dermatóloga da Vet Care