O veterinário auscultou um sopro no coração do meu pet. E agora?

shrpei puppy dog with a stethoscope on his neck. isolated

Existem vários motivos para o sopro estar presente. Mas tem um tipo de sopro que é sem dúvida o mais frequente na clínica de pequenos animais, que é o causado na endocardiose de válvula mitral (EVM).
Mas afinal o que é EVM? É a doença cardíaca adquirida mais comum nos cães idosos que pode acometer qualquer raça, porém cães de pequeno porte sofrem mais as consequências clínicas da doença. Com o passar do tempo as valvas que deveriam ser finas, lisas e com boa coaptção, sofrem uma degeneração e fibrose com isso elas não conseguem exercer bem o seu papel. As valvas funcionam como portas bang bang (tipo de faroeste) que abrem e fecham o tempo todo! Milhares de vezes ao dia! Elas servem para impedir que o sangue que deve sair do átrio em direção ao ventrículo, retorne ao átrio. Quando essas “portas” não exercem seu papel de forma adequada ocorre um refluxo de sangue para o átrio. O sangue saindo do átrio em direção ao ventrículo mais o refluxo causa um turbilhonamento que pode ser auscultado ou até mesmo sentido com as mãos, dependendo da velocidade.
Que consequências o sopro pode ter? Pense no nosso dia a dia, no trânsito, por exemplo: Quando o transito está muito ruim em uma importante via, ele vai refletir não só pontualmente naquele local mas também em outras vias. No coração acontece como no trânsito. Fisiologicamente o sangue vem das veias pulmonares, chega ao átrio esquerdo e segue em direção ao ventrículo esquerdo e de lá ele segue para a artéria aorta sendo distribuído para o resto do corpo. Na EVM parte do sangue está indo em seu fluxo normal enquanto parte dele está voltando. Com isso o átrio começa a remodelar seu tamanho para acomodar esse sangue que está voltando do ventrículo e mais o sangue vindo das veias pulmonares. O remodelamento ocorre de forma progressiva até que o “congestionamento” fica ainda maior e chega às veias pulmonares. É quando ocorre a insuficiência cardíaca congestiva esquerda(ICCE) levando ao edema pulmonar, que é a principal consequência clinica da EVM.
A principal queixa do proprietário do cão com EVM é a tosse. Essa tosse ocorre por conta do aumento do átrio esquerdo que comprime os brônquios ou, em fases mais avançadas, quando a ICC está presente e há o edema pulmonar. Podem acontecer desmaios, lembrando que com o sangue não seguindo seu fluxo normal, ele não perfunde adequadamente e a oxigenação fica comprometida.
O estetoscópio é um instrumento valioso na detecção do sopro. Mas é o ecodopplercardiograma que nos traz informações mais apuradas de como está o funcionamento do aparato valvar, quanto de sangue está regurgitando para o átrio, qual a velocidade desse refluxo e principalmente, nos mostra se há remodelamento do átrio que antecede o edema. Em alguns casos, podemos encontrar um coração tão remodelado que as arritmias podem estar presentes, sendo que estas são diagnosticadas através do eletrocardiograma. Outro parâmetro que deve ser levado em conta é a mensuração da pressão arterial que por muitas vezes encontra-se aumentada pelo aumento de volume dentro do átrio e/ou veias pulmonares.
O tratamento da EVM é de acordo com o quadro do paciente e vai depender de cada caso. Não conseguimos melhorar a condição das valvas em si, mas trabalhamos para dar uma melhor qualidade de vida aos nossos pacientes.
Se você tem um cãozinho e quer saber como está o coraçãozinho dele, agende uma consulta com seu cardiologista de confiança!

Dra. Fernanda Rohnelt – cardiologia veterinária

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s