Seu pet já aferiu a pressão arterial?

FOTO PA

Você sabia que é possível aferir a pressão arterial do seu pet? Assim como na medicina humana, os animais também podem sofrer com a hipertensão, porém raríssimas vezes, essa hipertensão é primária como nos humanos. A hipertensão pode ser secundária a outras doenças (renais ou endócrinas) e leva a lesão de órgãos-alvo em tecidos que recebem sangue com alta pressão sistólica.

Na rotina, usamos o método de medidas indiretas da pressão sanguínea (MIPS) que é um método não invasivo, indolor, obtido através da colocação de um manguito em uma das patas ou na cauda e utiliza-se um transdutor ultra-sônico para detectar o fluxo sanguíneo. O manguito inflado através do esfignomanômetro, irá comprimir a artéria impedindo o fluxo de sangue naquela região e assim, não é possível escutar a passagem do mesmo. Ao desinflar o manguito lentamente, volta-se a escutar o som do fluxo e é nessa hora que fazemos a leitura no esfignomanômetro. Animais ansiosos, que sofrem a “Síndrome do jaleco branco”, podem apresentar a pressão sanguínea aumentada. A mensuração deve ser feita em um ambiente tranquilo e o paciente ser minimamente contido. A pressão arterial sistólica de até 150mmHg é considerada normal. A pressão acima de 200mmHg é considerada grave e deve ser tratada.

Sopro em foco mitral, rins pequenos (gatos), descolamento de retina e hemorragia retiniana são os achados mais comuns encontrados em animais hipertensos.
Após confirmada a hipertensão testes deverão ser realizados para identificar a causa e o estágio do dano ao órgão-alvo e assim deve-se traçar um plano de tratamento e sugerir um prognóstico.

Alguns exames podem ser solicitados para ajudar no diagnóstico de hipertensão. Dentre eles estão os exames de sangue, pesquisa de hormônios, RX, eletrocardiograma e ecocardiograma, sendo este último o mais indicado para avaliar se há hipertrofia do ventrículo esquerdo concêntrica e em alguns casos encontrar descompensação e insuficiência cardíaca.

A hipertensão deve ser tratada junto à causa primária e um atendimento multidisciplinar é fundamental para o sucesso no tratamento.

Então, da próxima vez que seu pet for à consulta, peça para o seu veterinário aferir a sua pressão.

Dra. Fernanda Rohnelt – cardiologia veterinária

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s