Já ouviu falar em Leishmaniose?

Leishmaniose Visceral, é uma zoonose, ou seja, é transmitida do homem para os animais e vice-versa, que está novamente aparecendo no Brasil. É considerada um grande problema de saúde pública, e é causada pelo protozoário Leishmania chagasi.

Como é a transmissão?

Sua transmissão acontece por meio da picada de um inseto infectado, o mosquito palha. Este, pica um indivíduo infectado e inocula o protozoário em outro sadio, disseminando a doença.

Apesar da leishmaniose já ser comprovadamente transmitida para os gatos, entre os animais domésticos, os cães são os mais acometidos, sendo a doença denominada Leishmaniose Visceral Canina.

Quais são as áreas mais afetadas no Brasil?

Nas grandes cidades, o cão (Canis familiaris) é a principal fonte de infecção e os casos caninos tem precedido a ocorrência em humanos, onde a infecção em cães tem sido mais prevalente do que no homem.

É uma endemia em franca expansão geográfica, sua incidência é elevada nos países em desenvolvimento e os aspectos sociais, econômicos e ambientais são determinantes para sua manutenção e propagação.

Já foi relatada em diversos municípios do estado do Rio de Janeiro, desta forma, se faz necessário o conhecimento da população sobre a doença, uma vez que a educação pode ser compreendida, como ponto de partida para o entendimento da importância dessa doença, visando assim a identificação de animais doentes e o controle da sua disseminação em sua comunidade.

Mas o que o meu cão pode apresentar como sinais?

Os sinais podem ser os mais variados como:

·         emagrecimento progressivo, aumento dos gânglios linfáticos, úlceras e descamação da derme (pele) do animal, crescimento exacerbado das unhas, anemia, atrofia muscular sangramento nasal

Além disso pode acometer severamente os órgãos, como: alterações nos rins, aumento do fígado e problemas articulares.
Como pode ser visto, os sinais clínicos são inespecíficos e abrangentes, o que dificulta o seu diagnóstico e torna a doença ainda mais preocupante.

Existe tratamento para a Leishmaniose?

Hoje a Leishmaniose canina tem tratamento, mas não a cura, portanto a prevenção é o melhor para o seu cão.

O uso de inseticidas, tem sido bastante eficaz em muitos casos. Os mosquitos em sua maioria, assim como o Feblótomo, tem o habito noturno. É aconselhável que os tutores de cães levem seus animais para dormirem em locais telados, com coleira para prevenir picadas e, se possível, com repelentes.

Alem disso, faça a vacinação do seu cão contra Leishmaniose e sempre o acompanhe com o médico veterinário de confiança!

Fique de olho! A leishmaniose é uma doença muito importante e que atualmente merece uma atenção especial!

 

Dra.Flavia Clare – Especialista em Dermatologia Veterinaria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s